Posts Tagged ‘selvagem também é cultura’

Top 5 músicas de auto-ajuda

November 6, 2012

Curtir fossa é preciso, viver não é preciso. Mas depois de sofrer muito com aquela rasteira do cosmos, sempre chega o momento de tirar a coletânea da Elis do Mp3 e ser feliz de novo. É por isso que o Selvagem, sempre antenado nas tendências do mercado e imbuído do espírito de amor ao próximo, selecionou cuidadosamente uma listamiga de 5 pérolas da auto-ajuda musical. A ordem de apresentação das músicas na lista segue o espectro de melhoria do humor e da vontade de viver – além de, é claro, ir da piorzinha para a mais legal.

Divirta-se!

5 – Felicidade – Marcelo Jeneci

Essa música é muito chata, de tão do bem. No minuto 1’23” do clipe, se você prestar atenção, aparece até um ursinho carinhoso em cima da árvore, fazendo joinha para a Laura. Mas ela é super recomendada pro momento seguinte à fase de chafurdar na lama, quando você começa a perceber que existe vida após a fossa.

 

4 – Copo vazio – Gilberto Gil

Representante sombrio da lista, o quarto lugar oscila entre a auto-ajuda e a fossa total. Um copo vazio está cheio de ar, com toda a ambiguidade que o sotaque baiano do Gil é capaz de trazer. Afinal, nenhuma recuperação é 100% raios de sol e amor: tem sempre uma porcentagem de vazio existencial, né.

(Ficou curioso em saber por que deus esse vídeo traz cenas do Paris-Texas? Eu também.)

 

3 – Coração tranquilo – Walter Franco

A mais fofinha da seleção. É tipo um mantra, que o Walter Franco compôs e gravou num disco sugestivamente chamado de Respire Fundo. A versão do Pato Fu é demais também, mas a pose marota do Walter na foto do video alegra qualquer coração. Fora o poder de auto-sugestão da repetição eterna, incrivelmente efetivo.

 

2 – Os pingo da chuva – Novos Baianos

Essa é pra ligar o som bem alto e ir tomar um banho, gritando com a Baby no chuveiro: “É os pingo da chuva me molhaaaar!”. Além disso, “só está faltando fósforo” é um dos melhores conselhos que eu já ouvi na vida. Perdeu o emprego? Já já arruma outro, bobo, só está faltando fósforo. Ela te deixou? Ah, não preocupa, só está faltando fósforo. Daqui a pouco as coisas se ajeitam. Tá meio abatida? Só está faltando fósforo, vem cá, come uma banana.

 

1 – Fill your heart – David Bowie

Vários conselhos motivacionais reunidos numa música incrível, com um pianinho mara e o Bowie arrasando nos agudos. Não é à toa que Fill your heart ganhou o primeiro lugar. É o momento da reconciliação com o cosmos: você sabe que vai recuperar o amor próprio quando dá o play e é tomado por uma vontade louca de sair dançando na rua, na chuva, na fazenda, na velocidade 5 do créu. ❤

Advertisements

Auto-ajuda rizomorfa

August 15, 2012

Seja rápido, mesmo parado! Linha de chance, jogo de cintura, linha de fuga. Nunca suscite um general em você! Nunca ideias justas, justo uma ideia. Tenha ideias curtas. Faça mapas, nunca fotos nem desenhos. Seja a Pantera cor-de-rosa e que vossos amores sejam como a vespa e a orquídea, o gato e o babuíno.

 

Devir animal

Enquete cultural – quem diabos é Durango Kid?

October 4, 2011

Um dos grandes mistérios da música brasileira é o tal do Durango Kid, que aparece em nada menos que três músicas que eu conheço (Cowboy fora da lei, do Raul Seixas; Eu quero é botar meu bloco na rua, do Sérgio Sampaio e Durango Kid, do Milton). Não é preciso nem levar em conta o grande acervo brasileiro que eu não conheço pra constatar a representatividade desse personagem. Acho que fora ele, só o Matita Pereira, mesmo – que é outra grande incógnita, mas fica pra outro post.

É na busca de trazer mais conhecimento para o universo virtual – além de algum entretenimento besta pra alegrar seus corações – que o Selvagem traz até você a enquete cultural da vez. Quem, afinal, é esse moço, Durango Kid? Seria um cowboy gaúcho fundo de quintal? Um maníaco urbano, tipo o fura-bundas? O porquinho-da-índia do Vinícius de Moraes?

Está posto o desafio. A resposta mais criativa, segundo a classificação dos nossos jurados*, ganha uma camiseta produzida e autografada pelo próprío Selvagem, além de kit camisinha e cortesias para o show do Djalma não entende de política no Chevrolet Hall. Tá esperando o quê pra mandar a sua?

*Conheça aqui os nossos jurados.

Identidade cultural na pós-modernidade é…

April 27, 2011

Depois dos sucessos de “Amar é…”, nos anos 90, e “Gentileza urbana é…”, no Jornal do Ônibus, o Selvagem traz até você a tag mais contemporânea e antenada do momento: “Identidade cultural na pós-modernidade é…”.

Identidade cultural na pós modernidade é…

…pesquisar pós-estruturalismo na wikipédia enquanto comenta um coraçãozinho (<3) na foto do feriado no facebook.

Dizem que todos os pós-estruturalistas morreram de forma trágica: Deleuze suicidou, Foucault teve AIDS, Derrida, um câncer no pâncreas, Lacan um tumor no cólon. E o Barthes, coitado, foi atropelado.

Momento cultura #1 – o devir-animal

May 15, 2010

Cumprindo com o papel educativo a que este blog se propõe, o Selvagem traz um pouco de Deleuze até você. Neste breve post filosófico-existencial, uma citação do próprio Gilles acerca de um de seus conceitos mais emblemáticos – o devir-animal:

“Sei lá, bicho. É algo da ordem do intransponível, esse devir-animal. Antes que você possa perceber, é completamente tomado pelo eterno fluxo das imagens, não há écran que segure. Mil grau, mil grau. O devir produz-se a si próprio como um devir-outro, um não-devir que nunca deixa de ser – sem nem nunca ter sido. Uma parada mutcho loka.” (DELEUZE, 2004, p. 497)

Referências: DELEUZE, Gilles. Mil platôs: capitalismo, esquizofrenia e metal hard core.